Powered By:
Android Advice

Estudantes do Insikiran (Gestão Territorial) são recebidos no Centro de Formação (CIFCRSS) em intercâmbio com plantio de árvores madeireiras

A primeira etapa do “I intercâmbio Gestão Territorial – Insikiran & Centro Indígena de Formação e Cultura Raposa Serra do Sol” ocorreu entre 2 e 4 de maio de 2018, tendo como principalobjetivo a integração entre os estudantes dos dois cursos, trabalhando a Agroecologia como ferramenta para atender novas demandas e desafios relacionados a conservação ambiental e produção nas comunidades indígenas.

O encontro foi muito proveitoso, com muita integração e alegria, iniciando com a abertura pela coordenadora Maria Alcinda Mota os professores do CIFCRSSBleide  e Alcebias Constantino. Em seguida se apresentaram os estudantes das 4 turmas do CIFCRSS, e também os estudantes do curso de Gestão Territorial Indígena (GTI) do Insikiran/UFRRe os professores Rachel Pinho e Luis Felipe Almeida.

Após o almoço foi feita apresentação dhistórico do CIFCRSS com os relatos dos coordenadores e professores, ilustrados por fotos históricas.

Em seguida foram iniciadas as apresentações temáticas, sendo que os estudantes da Gestão Territorial fizeram apresentações sobre “Segurança alimentar” (disciplina que estão cursando no atual semestre), com os temas: alimentos naturais e tradicionais, grau de processamento dos alimentos, nutrientes, transgênicos etc. Depois foi a vez dos estudantes do CIFCRSS apresentarem os temas relacionados aos “Sistemas agroflorestais” trabalhados na disciplina que estão cursando, sendo: nutrientes do solo e importância da matéria orgânica, cobertura do solo e adubação verde, fotossíntese e estratos da vegetação, e apresentação do planejamento prévio do plantio. Com base nessas informações, à noite foi feito o planejamento dos plantios agroflorestais planejados para os próximos dois dias.

No segundo dia todos embarcaram no caminhão com o tuxaua da comunidade Barro e ex-coordenador do CIFCRSS, Anselmo Dionísio. O caminhão seguiu até a comunidade São Jorge no sítio de D. Mariana Mota e S. Alcides Constantino, família parceira do CIFCRSS que ofereceu duas áreas para plantio de espécies madeireiras em parceria com o CIFCRSS: uma capoeira e uma caiçara.

As mudas das espécies mogno (Swietenia macrophylla), cedro (Cedrela fissilis), angelim do cerrado (Vatairea macrocarpa), pau ferro (Caesalpinia ferrea var. Leiostachya), ipê amarelo do cerrado (Tabebuia aurea) e bacaba (Oenocarpus bacaba) foram produzidas e cedidas pelo viveiro de mudas da EEI Inácio Mandulão da comunidade Aningal (Amajari), reforçando a importante parceria entre as duas escolas.

Primeiro foi plantado em uma área de capoeira aberta, onde já foi produzido muito milho e maniva, e o solo ainda está escuro e parece bom para plantar as mudas, então não foi utilizado nem esterco, sendo que o plantio foi muito prático. Em seguida foi iniciado o plantio em uma área de antiga caiçara (curral) onde foi adicionado esterco pois a área era antiga e já havia produzido muitos produtos como pimenta, maniva etcAs árvores eram sempre plantadas de forma intercalada, misturada, em consórcios de forma a imitar o sistema natural, como as florestas. Na caiçara, também foi plantado o feijão guandu na entre-linha das árvores, para servir de cobertura ao solo e adubação verde para as árvores.

No início da tarde foi realizada uma apresentação pelo técnico formado pelo CIFCRSS Romário Bezerra, sobre sustentabilidade em sistemas agroflorestais e a experiência que vem desenvolvendo em três comunidades da Serra da Lua. Com o sol mais fraco, foi dada continuidade ao plantio, dessa vez no próprio CIFCRSS, onde as mesmas espécies foram plantadas em dois locais: no setor da horticultura beirando a cerca, e no setor da antiga agrofloresta. O plantio sempre feito intercalando as diferentes espécies.

A noite do segundo dia foi um momento muito especial, quando dois convidados foram compartilhar sua experiência de vida, a pajé Mariana Tobias e seu esposo Alcides Constantino. Cada um deles passou importantes ensinamentos aos jovens, através de histórias tradicionais sobre respeito à natureza e à terra, inclusive sobre “Insikiran”, que dá nome ao Instituto da UFRR ali presente. Após esse momento, foi a hora de apresentações artísticas, iniciando com danças e cantos tradicionais pelos integrantes do CIFCRSS. Em seguida foi a vez dos estudantes de Gestão apresentarem uma dramatização sobre a importância da alimentação natural, com a peça “O Desespero das frutas”. Logo depois foi apresentada uma dramatização criada pelos estudantes do CIFCRSS, com uma história que mostrou a importância do respeito aos pajés e ao pai da mata quando os homens saem para caçar. A noite foi fechada com um parichara dançado por todos.

terceiro e último dia de intercâmbio iniciou com mais plantios, com a implantação de canteiros demonstrativos de hortas agroflorestais com milho, macaxeira, mamão, abobrinha, maxixe, tomate, cheiro verde, rúcula, couve e chicória. Mais uma vez foi reforçada a importância da matéria orgânica e cobertura do solo, com o plantio de canteiros exclusivamente para a produção de biomassa: feijão guandu e capim mombaça.

No momento de encerramento foi apresentada a sistematização dos plantios, totalizando 151 mudas plantadas, além das espécies agrícolas e hortículas. Todos puderam expressar sua impressão muito positiva sobre esses dias. Após o almoço houve o retorno. Na próxima etapa do intercâmbio os estudantes do CIFCRSS virão para Boa Vista para uma série de atividades no Instituto Insikiran/UFRR. As atividades são realizadas com apoio da UFRR, CIR, Diocese de Roraima e FUNAI.

As fotos dessa atividades estão em https://www.facebook.com/wazakaye/posts/2110466632523509?notif_id=1526395536163555&notif_t=page_post_reaction&ref=notif 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *